O tempo Vida !

O tempo Vida !
Não se troca um amor velho por um amor novo.Banners original do blog

sexta-feira, 20 de maio de 2011

KIWI


Os kiwis são animais nativos da Nova Zelândia, são as menores aves ratitas vivas (não voadoras não nadadoras). O palavra kiwi tem significado em Maori, significa "de origem imitativa", porém os pesquisadores acreditam que a palavra venha de uma língua ainda mais antiga, provavelmente o Neozealandes Arcaico, e que seu significado original seja diferente.




Um kiwi adulto pode sofrer de graves problemas psicológicos, embora sejam conhecidos por seus hábitos noturnos e timidez, há relatos de ataques e abuso onde relata Kiwis que mataram uma ovelha e molestaram cachorros. Os kiwis também sofrem por serem aves que não voam, esse sofrimento já foi inspiração para vários artistas conteporâneos, confira o vídeo abaixo.Os ovos de uma Kiwi são dez vezes maior que de uma galinha, pesam em média 450 gramas. Alguns ovos podem ter o volume maior que o volume da Kiwi que o botou. Os kiwis botam seus ovos apenas uma vez por ano.
Cientistas, por meio de testes de DNA, verificaram que seus parentes mais próximos são os Emus. Todavia Kiwis conservadores acham essa afirmação uma blafêmia, uma vez que pelo livro do Gênesis dos Kiwis eles foram criados a partir do caos pela Kiwi-Fênix.
"Havia o caos, e a partir dele a Kiwi-Fênix gerou todos os ovos que seriam os Kiwis." Gênesis dos Kiwis capítulo 2 parágrafo 1.
Uma das seitas dos kiwis acredita que eles podem ascender como uma Fênix e dominam os céus quando isso ocorre. Outras acreditam que apenas a original pode ser a Fênix e os outros Kiwis apenas são tocados pela suas chamas.
Os kiwis estão em perigo de extinção,

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Chororão



Chororão

Ordem: TINAMIFORME
Familia: Tinamidae
Gênero: Crypturellus
Espécie: Crypturellus variegatus
Nome comum: Chororão, inhambu onça, inhambu relógio, inhambu anhangá, chorão

O piar é diferente, pelo menos no Espírito Santo e no Maranhão. Para o canto estica o pescoço para cima e abrem bem o bico. Se não piam parecem não existirem A fêmea pode ter quatro machos e oferecer a cada um deles um ovo, que colocado no ninho que o macho fez. É o macho incuba o ovo e cuida da prole. Ao primeiro sinal de perigo imobiliza-se e só voam quando é necessário. Durante o vôo suas penas emitem sons (inhambu, do tupi “y-nam-bu” = “o que sai com estrondo”). O vôo com batidas de asas rápidas seguidas de períodos de planado. Cansam-se rápido e logo pousam. Ocorre no Mato Grosso, Pará, Maranhão, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Guianas, Venezuela e Peru.


http://www.criarparaconservar.com.br/aves/chororao.php

Macuco




Ordem: TINAMIFORME
Familia: Tinamidae
Gênero: Tinamus
Espécie: Tinamus solitarius
Nome comum: Macuco, inhambuaçu, macucauguá

O maior Tinamidae, com o macho chegando a pesar 1500gr e a fêmea 1800gr. Gosta de mata limpa em terrenos acidentados (grotas), é um tipo de ave comum em matas ribeirinhas, mas podem ser encontrados em áreas secas. Na época de reprodução ambos emitem um pio tremulado, o dito “chororocado”. O chororocado da fêmea é mais alto e longo, com o tremular mais lento. A fêmea bota seis ovos por estação em um ninho construído pelo macho, que também incuba os ovos e cuida da prole. Durante o período do choco e quando sai do ninho para se alimentar, o macho esconde os ovos vistosos com folhas secas. Extinguiu-se de algumas regiões e os representantes nordestinos estão ameaçados. Ovos verde-turquesa. Ocorre do litoral de Pernambuco ao do Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Goias, Mato Grosso, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná.


http://www.criarparaconservar.com.br/aves/macuco.php

domingo, 15 de maio de 2011

Perdigão





Ordem: TINAMIFORME
Familia: Tinamidae
Gênero: Rhynchotus
Espécie: Rhynchotus rufescens
Nome comum: Perdigão, perdiz

Parecido com galinhas. Possui o bico longo e forte, o que lhe permite romper a superfície dura de um cupinzeiro e a cavar o solo a procura de raízes. É um excelente predador apanhando lagartixas e ratinhos que encontram. Ë o melhor voador da família, podendo atingir 1000 metros, com tudo, são aves de chão e quando surpreendidas próximas de cercas podem batem nos arames e quebram o pescoço. O macho faz o ninho cavando o solo e forrando com folhas secas. É o Macho que choca e cuida da prole. O seu ovo de cor chocolate-violaceo polido com aparência de porcelana é considerado o mais belo da natureza. Era abundante em regiões campestres, cerrados e buritizais. Perseguidos por caçadores, envenenados pela agricultura e afugentados pelas queimadas, tornou-se raro. Ocorrem em Minas Gerais, Bahia, Mato Grosso do Sul, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Argentina e Bolívia
Fonte
http://www.criarparaconservar.com.br/aves/tietinga.php

Zabelê



Zabelê

Ordem: TINAMIFORME
Familia: Tinamidae
Gênero: Crypturellus
Espécie: Crypturellus noctivagus zabele
Nome comum: Zabelê do nordeste

Espécie vulnerável a extinção. Era um dos pios mais ouvidos na Bahia. O pio do macho atrai a fêmea para o acasalamento, no entanto outros machos atendem avidamente o pio, o que muitas vezes leva-os a uma emboscada de caçadores com um pio. Era um tipo de ave comum em matas ribeirinhas, mas podem ser encontrados em áreas sem água, e por ali, vivem em excelentes condições mesmo em secas que se estendem por alguns meses. Diferente da maioria dos Tinamídeos, a fêmea de zabelê, também choca. Alimentam-se de frutos de palmeiras, sementes e insetos, vermes, aranhas, moluscos e ainda folhas, como certas gramíneas e grãos de areia. Ocorre do norte de Minas Gerais ao Piauí e Pernambuco


Fonte
http://www.criarparaconservar.com.br/aves/tietinga.php

Tietinga





Ordem: PASSERIFORME
Subordem: OSCINE
Subfamilia: Thraupiinae
Gênero: Cissopis
Espécie: Cissopis leveriana
Nome comum: Tietinga, pipira, probexim, sanhaço tiga, pintassilgo de mato virgem, sabiá tinga

Passaro de penas exuberantes pretas e brancas, com olhos preto e amarelo. Adoram frutinhas de “falsa-erva-de-rato” (Hamelia patens), e do fruto do caruru (Phytolacca decandra). No inverno reúnem-se em grupos de traupídeos. Quando o caçador capturar um, logo será agredido por outros tietinga, enquanto o azarado aprisionado grita. Quando voam suas penas produzem um som, que acusam a sua presença mesmo quando não visto. Percorrem as copas e ramagens aos longos pulos. Movimenta a longa cauda para cima e para baixo. Ocorre das Guianas e da Venezuela até a Bolívia, Pará Maranhão, de Pernambuco até Minas Gerais, Goiás Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná Santa Catarina. Rio Grande do Sul.


Fonte
http://www.criarparaconservar.com.br/aves/tietinga.php

Araras Azuis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...