O tempo Vida !

O tempo Vida !
Não se troca um amor velho por um amor novo.Banners original do blog

sábado, 19 de setembro de 2009

Importância das Aves:


Alimentando-se de Pragas: Exercem papel no controle biológico. Perdizes controlam insetos em lavouras e pastagens. O caracará é o principal predador de lagartas em lavouras.

Controle de ratos e cobras: Os gaviões, corujas são os consumidores habituais de ratos aos quais caçam dia e noite. A seriema e a ema têm fama de grandes comedoras de cobras.

Na limpeza da Natureza: Os urubus consomem rapidamente carcaças de animais mortos, inclusive em áreas urbanas.


Alimentação:
Frugívoros: De frutas. (Papagaio, tiriba, saíra, gaturamo, inhambu..)
Onívoros: Diversos tipos de alimentos. (Bem-te-vi, sabiá, pardal..)
Carnívoros: De carne vermelha e artrópodes.(Falcão, gavião, coruja..)

Piscívoros: De peixes. (Martim pescador, atobá..)

Necrófagos: De carniças. (Urubu, gaivotão..)

Insetívoros: De insetos. (Andorinha, pica-pau..)
Malacófago: De moluscos. (Caramujeiro..)
Nectarívoro: De néctar das flores. (Beija-flor..)
Fitófagos: De plantas. (Cigana..).





Na polinização das flores: Principalmente os beija-flores têm o papel de perpetuamento de espécies de flores, sendo que a extinção de um acarreta a extinção de outro.

Dispersão de sementes: Muitas espécies de plantas tem suas sementes dispersas por aves como a Araucaria angustifolia (pinheiro-do-Paraná ) e a Myrsine sp (capororoca).

Fornecimento de adubo: As galinhas fornecem o esterco que é usado na agricultura. O andorinhão-de-coleira-falha pernoita no mesmo local acumulando grande quantidade de adubo que é usado por moradores da região. Diminuindo o uso de adubos químicos.

Fornecimento de alimento: Várias aves domésticas, como galinhas, perus, faisões, codornas e pombas são aproveitadas há anos na alimentação humana.

No lazer, Inspiração e beleza: Ao serem observadas transmitem a sensação de bem estar e harmonia, além de possuírem belos cantos. São motivos de inspiração para símbolos, músicas, poesias, trovas, fotografias, filmes, livros.Visando a observação de aves, em 1974, foi criado o COAS, Clube de Observadores de Aves, sendo fundado no Rio Grande do Sul, tendo a observação de aves como hobby e passatempo numa interação com a natureza.

Imagens e texto pesquisas via internete

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Falcao peregrinus


Vítima de roubo
Apesar de ser um caçador destemido, muito valorizado pelos falcociros, o Falcão peregrino nunca se defende de outras aves. O milhafre e outras aves de rapina muitas vezes esperam o falcão peregrino matar uma vítima para tomar-lhe a presa.

O falcão peregrino Ocorre na Europa, Ásia, Austrália e Américas. Durante o inverno, os Falcões europeus migram para a África. O falcão peregrino prefere o campo aberto - como praias e pântanos perto de colônias de aves aquáticas e ribeirinhas.
O namorado acrobático



Para atrair a companheira, o falcão monta um "show" espetacular, como fazem muitos pássaros. Sobe a uma altura de 50 m e então mergulha verticalmente com as asas fechadas. Depois de fazer diversas piruetas como um avião em acrobacias aéreas, precipita-se sobre a fêmea que o está admirando do chão. Para evitar o choque, esta deita-se e protege-se com os pés.


Imagem e pesquisas via internet

Falcao e sua Presa



Os Falcões são Aves de Rapina existentes em quase todas as partes do mundo, com exceção das Regiões polares e as Ilhas do Pacífico. Vivem em bandos de até trezentas aves. Durante o acasalamento entretanto, isolam-se os pares, que constroem o ninho no chão. A fêmea choca os ovos por um mês, enquanto o macho alimenta um. Quando os filhotes nascem, os pais Tornam-se agressivos e, por isso, Caçados ser encontradas facilmente.

O caçador coloca uma coruja Empalhada dentro de uma rede aberta. Quando o falcão ataca uma coruja, O Caçador fecha a rede.
Existem diversas espécies de Falcões. O mais comum é o do Falcão chama de San Martin.

Video you tube
texto de pesquisas
via internet

Aves Europeias


Quase metade das aves mais comuns da Europa estão em declíni
"As aves europeias mais comuns estão em declínio. Um estudo feito pela BirdLife International estima que as populações de aves comuns do mundo estão a diminuir devido à perda contínua de habitat, só na europa são 46 por cento.

Um estudo que já tem 26 anos mostra que das 124 espécies de aves que são normalmente vistas na Europa, 56 estão em declínio em 20 países. As aves que vivem em zonas agrícolas são as mais afectadas. O número de rolas-comum, Streptopelia turtur, desceu 79 por cento.
O relatório The State of the World’s Birds 2008” vai ser apresentado na conferência Mundial da BirdLife, na Argentina. Quatro anos depois do último relatório, o estudo mostra que todos os continentes sofrem a mesma tendência. Em África os números das aves da rapina estão a descer fora das áreas protegidas, enquanto na Ásia 62 por cento das aves aquáticas migratórias estão “em declínio ou extintas". Na Austrália 80 por cento das aves limícolas estão a ficar ameaçadas."




Testo de pesquisas e imagens via internet

Aves Europeias

A perdiz-cinzenta está perigosamente perto da extinção
A perdiz-cinzenta está perigosamente perto da extinção
Mike Wilkes/Nature Picture Library






Um estudo recente realizado pelo Conselho Europeu para o Controlo de Aves (CECA) e que teve como objecto de estudo 124 pássaros comuns na Europa, concluiu que em 20 países do velho continente e durante 25 anos cerca de 56 espécies entraram num declínio tão acelerado que poderão mesmo atingir a extinção.

Algumas das aves numa situação mais delicada são a perdiz cinzenta, a rola-brava, ou a cotovia-de-poupa, que num quarto de século perderam entre 62 e 95 por cento das suas populações.

Um representante da CECA sublinhou que a redução dramática nas populações destas aves é de tal forma grave que "alguns destes pássaros campestres só não são consideradas espécies em risco de extinção global, porque nos sensos são incluídas as congéneres asiáticas".

Caçadores com falta de vista

O Fundo de Conservação para a Vida Selvagem levou a cabo outro estudo, dando a conhecer que uma das razões para o extermínio a que a perdiz-cinzenta está a ser alvo, encontra-se amplamente relacionado com a caça e com a confusão feita por muitos caçadores em relação à perdiz-comum.

Para além da falta de vista e discernimento de alguns caçadores, outras das razões para este flagelo já apelidado de "extinção continental" é a cada vez maior quantidade de terreno cultivado, que retira alimento às aves campestres e as obriga a procurar comida noutras paragens. Para algumas destes pássaros, abandonar o seu ambiente natural é quase uma sentença de morte. Está é aliás, uma das razões mais importantes para o declínio de 33 das espécies estudadas, entre elas o pica-pau galego.

Nem tudo é mau

Contudo, existem também boas notícias. Das 124 espécies observadas e estudadas, 29 apresentam sinais de crescimento, o que está a deixar os cientistas optimistas. O corvo, a águia-de-asa-redonda e o bico-grossudo são algumas das aves que revelaram melhores resultados.

Um dos responsáveis pelo estudo da CECA, Richard Gregory, sublinhou que este aumento já era esperado, pois "algumas espécies como a rola-turca não permanecem sempre nos mesmos habitats e aprenderam a tirar vantagem das novas oportunidades".

Por outro lado a recuperação das populações da águia-de-asa-redonda e do corvo são surpreendentes e "encorajadoras", uma vez que foram perseguidos quase até à extinção "durante décadas", lembrou o investigador.

O britânico reforça que a situação está a melhorar e "embora a cenário seja ainda muito difuso, existem sinais de recuperação", lembrando que "neste momento temos o conhecimento suficiente para ajudar muitas destas aves."

Dez espécies que apresentaram o maior declínio :

Cotovia-de-poupa (95%)
Pica-pau-galego (81%)
Perdiz-cinzenta (79%)
Torcicolo (74%)
Chasco-cinzento (70%)
Rouxinol (63%)
Rola-brava (62%)
Chapim-sibilino (58%)
Abibe (51%)
Milheirinha (41%)

Dez espécies que apresentaram o maior crescimento

Bico-grossudo (658%)
Papa-moscas-de-colar (182%)
Corvo (118%)
Toutinegra-de-barrete-preto (82%)
Águia-de-asa-redonda (80%)
Pica-pau-preto (77%)
Pombo-torcaz (71%)
Rola-turca (59%)
Felosinha-ibérica (56%)
Peto-real (43%)

http://aeiou.expresso.pt


quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Canário ou Canária



Na verdade existe dois métodos científicos para a identificação do sexo das aves.

O primeiro é conhecido como sexagem: Análise de sangue ou de uma pena da ave, o ouro método é a laparoscopia: Que consiste em examinar o interior do corpo da ave por meio de uma fibra óptica(o que permite vêr os óvários ou testículos da ave). Ambos os métodos são dispendiosos,por serem feitos em laboratório veterinário. Quem recorre a estes métodos são os criadores de psitacídeos(araras,papagaios, aratingas,roselas entre outros de pequeno e grande porte.
Aves de custo já considerável.

Quando os canários são muito novos, em algumas raças é extremamente difícil detectar a diferença entre machos e fêmeas.

Há no entanto determinadas raças de canários cuja a identificação se torna mais facil.
Na linha dos canários Mosaico, por ex: Os machos, são por norma mais coloridos nos ombros(parte dianteira das asas) e em redor dos olho e testa(máscara), a côr também é mais intensa do que nas fêmeas.

Para tirar qualquer das duvidas é na época da reprodução, á medida que se aproxima a reprodução,podemos determinar com mais facilidade o sexo, a partir do tamanho e posição da cloaca (mais larga na fêmea do que no macho), os machos ficam com a cloaca(mais alta e em forma de “espigão”).
Só o macho canta a fim de cativar as fêmeas, ao mesmo tempo provocar nas mesmas o clique da maternidade.
A fêmeas apena emite sons curtos e começam a transportar palha e penas no bico. Chamam insistentemente pelos machos e em poucos dias estarão prontas para acasalar.

Além disso, as fêmeas que estarão prontas a procriarem ostentam por vezes o ventre virtualmente depenado e “roliço”

Texto de Eduardo Garcia
Imagem pesquisa Internet

Sexagem das aves pelo DNA


A maioria das espécies de aves, quando jovens ou mesmo adultas, não apresentam dimorfismo sexual (diferença entre machos e fêmeas) pronunciado.

Para sabermos com segurança o sexo destes animais podemos recorrer ao exame de "Sexagem pelo DNA" que gera resultados de alta confiabilidade em aves de qualquer idade.

O exame de DNA pode desvendar um segredo que, durante séculos, só as próprias aves sabiam com certeza: seu sexo!

Sem o desenvolvimento da Biologia Molecular, ciência que estuda o DNA, estaríamos ainda tentando formar casais pelo método da tentativa e erro ou pelo palpite de alguém.

Ao descobrir o sexo de sua ave, você poderá dar-lhe um nome coerente, formar um casal verdadeiro, gerar filhotes, melhorar o convívio e a harmonia na gaiola.

Para determinarmos o sexo das aves, detectamos pela reação de PCR (do inglês, Polymerase Chain Reaction) a presença ou ausência de um gene específico, o qual só pode ser encontrado nas fêmeas e nunca nos machos.

imagem e texto fonte de pesquisa internet

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Pintassilgos:Aves de arribação.



Os pintassilgos (Carduelis carduelis), no Inverno formam bandos e procuram alimento em locais onde crescem plantas conhecidas vulgarmente por cardos (género Carduus e Cirsium). Estas plantas são de varias espécies, caracterizadas por possuirem espinhos, inflorescência em capítulo ou umbela. Encontram-se em terrenos incultos nas bermas das estradas. As distancias que percorrem podem atingir varias centenas de quilómetros. As faixas ou corredores onde transitam estas aves são designadas "zonas de passagem". Muitas situam-se paralelas a costa marítima, onde abundam plantas com sementes. Infelizmente com o aumento da construção estes terrenos são ocupados reduzindo ou eliminando estas zonas de passagem.

Em Outubro e Novembro, muitos pintassilgos originários das Ilhas Britânicas migram para a Península Ibérica e passam aqui o Inverno, regressando em Fevereiro e Março. Algumas destas aves chegam ao Norte de África, atravessando o estreito de Gibraltar.

Na Península Ibérica durante esta época e em algumas regiões é legalmente permitida a captura de algumas espécies do género Carduelis. Esta pratica ancestral proibida em Portugal e em certas zonas Autonómicas Espanholas, continua a ser feita tradicionalmente para obter machos para o canto ou para cruzar com canárias e obter os travessos designação portuguesa, ou mixtos na língua castelhana. Deste cruzamento obtem-se aves mais resistentes que os pintassilgos e o canto dos machos é muito apreciado.

Fonte de Pesquisas via internet

Turaco:aves ornamentais








Reprodução:
Os turacos nidificam em territórios defendidos com afinco por ambos os membros do casal. O ninho é construído como uma plataforma de ramos e gravetos a cerca de 4 metros do solo. É muito comum entre os turacos, durante o ritual de acasalamento alimentarem-se mútuamente através de regurgitação. O ninho é muito semelhante ao dos pombos, consistindo numa pequena plataforma construída com ramos, escondido no meio de folhagem densa. A época de reprodução decorre entre Agosto e Janeiro. As posturas têm em média 2 a 3 ovos brancos, incubados ao longo de 22 a 25 dias por ambos os membros do casal, por vezes ao mesmo tempo. Os juvenis recebem os cuidados parentais dos dois progenitores e adquirem capacidade de vôo por volta das 5 semanas de vida.

Comportamento: Escondem-se na folhagem densa das árvores altas, onde procuram fruta. Quanto se sente ameaçado permanece imóvel, mas se pressentir uma aproximação em demasia, voa com um potente abanar de asas. Devido às suas características de vôo é incompreensível que os turacos sejam considerados grandes corredores, pelo facto de preferirem saltar de ramo em ramo em vez de voar.

Geral: As crias dos turacos têm pequenas garras na ponta da asa o que permite agarrarem-se aos troncos perto do ninho. Tal como outras espécies de frugívoros, os turacos representam uma ave muito importante na dispersão de sementes. A sua digestão é rápida e incompleta, por isso têm necessidade de se alimentar em intervalos frequentes e com maior quantidade de frutos. O resultado deste padrão de alimentação é a dispersão de muitas sementes.






Recanto do sabiá Fonte

CODORNAS


Criação Doméstica
Se o objetivo é ter uma criação pequena no fundo de casa, ela pode ser iniciada com codorninhas de 1 a 28 dias. Outra opção é começar com algumas matrizes e reprodutores e depois selecionar, em cada geração, os machos e fêmeas mais robustos, para dar origem a novos reprodutores. Não há muito rigor técnico para a criação doméstica, pois, geralmente, o objetivo do criador é o de obter ovos para seus familiares e ter as aves como um hobby. Contudo, mesmo nestas condições, são necessários alguns cuidados. Os dejetos, por exemplo, precisam ser adequadamente eliminados, pois o seu acúmulo irá ocasionar a proliferação de moscas ou outros insetos e mau cheiro em excesso. As gaiolas existentes no mercado podem ser utilizadas neste tipo de criação, com pequenas modificações quando necessário.

Lembretes Importantes
Alguns fatores que devem ser considerados por parte do empreendedor:
- Manter um controle rígido de qualidade e o conhecimento, por parte do criador, das principais características do animal são fundamentais;
- A criação racional de codornas segue regras básicas de manejo, alimentação, sanidade e instalações.




Pesquisas e imagens via internet

CODORNAS


CRIAÇÃO DE CODORNAS
A codorna existe desde a antiguidade na Europa como ave migratória - de plumagem cinza-bege e pequenas listas brancas e pretas - foi levada primeiramente para a Ásia - China, Coréia e, depois, para o Japão. A codorna, hoje criada em cativeiro, é o resultado de vários cruzamentos efetuados, no Japão e na China, a partir da sub-espécie selvagem Coturnix coturnix, de origem européia. Já no ano de 1300 d.c. a codorna foi domesticada pelos japoneses em função do canto melodioso dos machos. Na primeira década do Século XX os japoneses conseguiram, após inúmeras tentativas, promover sua criação de forma racional, em pequenas gaiolas, com produção em série, com vistas à exploração comercial. Graças à sua alta fertilidade, abundante postura de ovos e exigência de pouco espaço para seu confinamento, mais a facilidade de transporte, a codorna tornou-se uma das principais fontes de alimentação para os vietnamitas durante a guerra contra os Estados Unidos. No Brasil, as codornas foram trazidas por imigrantes italianos e japoneses na década de 50. A partir daí sua produção vem se consolidando,




Pesquisase imagem via internet

ANILHAMENTO

ANILHAMENTO

Para identificar as aves o sistema mais prático e seguro, consiste na colocação de anilhas nas pernas dos filhotes. A anilha é um anel de alumínio, fechada, inviolável, nas quais estão gravadas. As siglas da Federação e da Sociedade que as emitiu, o ano do nascimento, o número de ordem e o número do criador. Esta anilha é a identidade do pássaro , pois não saíra mais de sua perna, acompanhando-o por toda a vida.

Os pássaros para serem apresentados em Exposições e Concursos oficiais devem portar obrigatoriamente anilhas.
As anilhas são colocadas nos canários, com pouco dias de vida de 4 a 7, mas sempre tendo-se em conta o desenvolvimento ou que o pássaro a perca, se a manobra for realizada muito cedo.
O anilhamento é um processo delicado e as vezes é difícil, para o principiante. Deve ser feito sobre mesa forrada com papel, pois ao pegar os filhotes é comum que os mesmos defequem.
Para anilhar, toma-se o filhote com a mão esquerda, e com a direita o anel. Passa-se a anilha até o início da articulação.

Segura-se a ponta desses dedos e desloca-se a anilha através do dedo posterior, que deve estar no mesmo sentido da perna, fazendo com que o anel passe a perna.

Em seguida liberta-se o dedo posterior, desenganchando-o da anilha. Essa operação pode ser facilitada, untando-se os pés dos filhotes com vaselina ou outro lubrificante neutro.



Imagens e texto pesquisas internet

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Aves exóticas .Portugal


A introdução de aves exóticas em Portugal Continental

Portugal é visitado regularmente por aves de outros continentes que, possuindo boa capacidade de dispersão, aliada a um número de outros factores, como as condições atmosféricas, conseguiram fazer a "viagem" até ao nosso país. Estas aves são normalmente denominadas espécies acidentais ou divagantes naturais. Porém, desde há cerca de 40 anos, algumas espécies que não poderiam ter chegado de outra forma senão com a intervenção do Homem têm vindo a instalar-se, reproduzindo-se em liberdade e constituindo populações viáveis. A primeira espécie a conseguir constituir uma população viável (isto é, a naturalizar-se) foi o Bico-de-lacre, agora tão comum e praticamente omnipresente no nosso território. Esta é agora, possivelmente, uma das espécies mais abundantes da nossa avifauna. O facto de estas aves atingirem a maturidade sexual muito depressa, de nidificarem durante grande parte do ano e de, aparentemente, não terem encontrado concorrência por parte das espécies autóctones, terá ajudado a uma rápida expansão. Contudo, outras espécies se seguiram. Assim, nos finais dos anos 1970, o número de registos de aves exóticas em liberdade no nosso país começou a aumentar. Se, por um lado, isto poderia corresponder a um maior desenvolvimento da Ornitologia em Portugal,




7. Aves exóticas: onde, como e quando procurar

Não se trata de "caçar" aves exóticas, mas antes de conhecer o mais aproximadamente possível a realidade actual da nossa avifauna. A maior parte das espécies que ocorrem no nosso país está muito localizada, contando (na sua maioria) com poucos efectivos. Não será sensato ir para o campo observar aves exóticas, pensando que haverá igual probabilidade de as encontrar em Trás-os-Montes, na planície alentejana ou numa zona húmida perto de Lisboa. Há que dar prioridade a determinados locais em detrimento de outros. Assim, jardins e parques públicos (como o Parque Florestal de Monsanto ou o Jardim da Estrela, ambos em Lisboa), pauis e outras zonas húmidas localizadas perto de zonas urbanas serão bons locais para as procurar, enquanto que zonas áridas, zonas extensamente arborizadas e zonas de grande altitude serão locais menos favoráveis. A época do ano é também um factor a considerar. As espécies exóticas que ocorrem em liberdade em Portugal Continental são, na sua maioria, provenientes de zonas tropicais, onde muitas vezes, a nidificação decorre em simultâneo com a época das chuvas.

Euplectes progne



http://www.triplov.com

Aves exóticas .Portugal



Na linguagem popular, uma ave exótica é definida por ter cores berrantes e um aspecto estranho.
Como mais adiante se verá, não é necessariamente assim.
Neste guia entender-se-á por ave exótica qualquer espécie cuja área de distribuição natural se encontre fora dos limites do território continental português e cuja ocorrência no nosso país se deva a uma intervenção humana direta.
Esta intervenção humana refere-se primeiramente ao ato de retirar as aves dos seus locais de origem e de as transportar, direta ou indiretamente, para Portugal.
As aves poderão ocorrer em liberdade no nosso país devido quer a fugas acidentais quer a introduções deliberadas.

Imagem google
http://www.triplov.com

domingo, 13 de setembro de 2009

Papagaio=Raro

Menor papagaio do mundo é filmado pela primeira vez

papagaio3

Uma equipe da BBC conseguiu filmar pela primeira vez os menores papagaios do mundo em seu hábitat natural na Papua Nova Guiné, uma ilha do sul do Pacífico, ao norte da Austrália. Os pequenos pássaros, mais ou menos do tamanho de um dedo polegar, são menores do que alguns insetos que vivem na mesma floresta tropical.

O cinegrafista Gordon Buchanan encontrou um pequeno ninho e esperou camuflado até o casal de pássaros voltar. "Esse casal é muito carinhoso um com outro, o que é típico dos papagaios. Os papagaios têm uma ligação forte entre macho e fêmea", diz Buchanan.

Os papagaios pigmeus (Micropsitta pusio) não comem frutas e sim fungos, mas ainda se sabe pouco sobre as aves, já que é difícil criá-las em cativeiro. A equipe do documentário "Lost Land of the Volcano" (Terra perdida do Vulcão, em tradução livre) também conseguiu filmar uma espécie rara de pato, Salvadorina waigiuensis, que é considerada vulnerável - uma das categorias na lista de espécies ameaçadas de extinção - porque a população total destas aves no mundo está diminuindo devagar.


Pesquisas do site citado abaixo

http://www.avesenoticias.com


Entrevista

BIODIVERSIDADE=Biomas Brasileiros


- Biomas Litorâneoscom um litoral muito extenso, o Brasil possui diversos tipos de biomas nestas áreas. Na região Norte destacam-se as matas de várzea e os mangues no litoral Amazônico. No Nordeste, há a presença de restingas, falésias e mangues. No Sudeste destacam-se a vegetação de mata Atlântica e também os mangues, embora em pouca quantidade. Já no sul do país, temos os costões rochosos e manguezais.

- Caatinga – presente na região do sertão nordestino (clima semi-árido), caracteriza-se por uma vegetação de arbustos de porte médio, secos e com galhos retorcidos. Há também a presença de ervas e cactos.

- Campos – presente em algumas áreas da região Norte (Amazonas, Pará e Roraima) e também no Rio Grande do Sul. A vegetação dos campos caracteriza-se pela presença de pequenos arbustos, gramíneas e herbáceas.

- Cerrado – este bioma é encontrado nos estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Tocantins. Com uma rica biodiversidade, caracteriza-se pela presença de gramíneas, arbustos e árvores retorcidas. As plantas possuem longas raízes para retirar água e nutrientes em profundidades maiores.

- Floresta Amazônica – é considerada a maior floresta tropical do mundo com uma rica biodiversidade. Está presente na região norte (Amazonas, Roraima, Acre, Rondônia, Amapá, Maranhão e Tocantins). É o habitat de milhares de espécies vegetais e animais. Caracteriza-se pela presença de árvores de grande porte, situadas bem próximas umas das outras (floresta fechada). Como o clima na região é quente e úmido, as árvores possuem folhas grandes e largas.

- Mata dos Pinhais – também conhecida como Mata de Araucárias, em função da grande presença da Araucária angustifolia neste bioma. Presente no sul do Brasil, caracteriza-se pela presença de pinheiros, em grande quantidade (floresta fechada). O clima característico é o subtropical.

- Mata Atlântica – neste bioma há a presença de diversos ecossistemas. No passado, ocupou quase toda região litorânea brasileira. Com o desmatamento, foi perdendo terreno e hoje ocupa somente 7% da área original. Rica biodiversidade, com presença de diversas espécies animais e vegetais. A floresta é fechada com presença de árvores de porte médio e alto.

- Mata de Cocais – presente, principalmente, na região norte dos estados do Maranhão, Tocantins e Piauí. Por se tratar de um bioma de transição, apresenta características da Floresta Amazônica, Cerrado e da Caatinga. Presença de palmeiras com folhas grandes e finas. As árvores mais comuns são: carnaúba, babaçu e buriti.

- Pantanal – este bioma está presente nos estados de Mato-Grosso e Mato-Grosso do Sul. Algumas regiões do pantanal sofrem alagamentos durante os períodos de chuvas. Presença de gramíneas, arbustos e palmeiras. Nas regiões que sofrem inundação, há presença de árvores de floresta tropical.



Pesquisa na integra
http://www.suapesquisa.com
Imagem do google

Biomas Brasileiros


Informações sobre os biomas brasileiros, vegetação, clima, biodiversidade, características principais e localização

biomas brasileiros - foto
Biomas brasileiros: diversidade de ecossistema


Definição

Podemos definir bioma como um conjunto de ecossistemas que funcionam de forma estável. Um bioma é caracterizado por um tipo principal de vegetação (num mesmo bioma podem existir diversos tipos de vegetação). Os seres vivos de um bioma vivem de forma adaptada as condições da natureza (vegetação, chuva, umidade, calor, etc) existentes. Os biomas brasileiros caracterizam-se, no geral, por uma grande diversidade de animais e vegetais (biodiversidade).

Pesquisas na Integra
http://www.suapesquisa.com


Araras Azuis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...